14 de fev de 2014

O discípulo é um seguidor de Jesus

Jesus é a pessoa mais fascinante que já pisou na Terra. Sua vida é incomparável. Ele venceu a morte e fez dela motivo de desdém: “Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?” Jesus é o Deus homem, e o homem Deus, o qual a si mesmo se deu em resgate por todos: testemunho que se deve prestar em tempos oportunos. Seguir Jesus é a melhor caminhada que alguém possa fazer nesta vida. Ele nos faz andar por caminhos inimagináveis.

Seguir Jesus é andar em novidade de vida, é ser uma metamorfose ambulante com uma vida plena que procede dele para nós. Seguir Jesus é andar em amor, como também Cristo nos amou e se entregou a si mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave. Jesus dizia a todos: "Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me”. Ele nos chama a segui-lo, e cabe a nós a decisão de ser discípulo dele. Ser discípulo de Jesus não é ser discípulo de um líder de igreja. Você quer ser discípulo de Jesus?

Ser discípulo de Jesus não é simplesmente levantar a mão atendendo ao apelo do pregador. Tal gesto pode até ser a intenção inicial desse processo que só termina no céu. Mas, seguir Jesus é viver uma contracultura que vai contra toda a sistemática de vida que esse mundo oferece. Os seguidores de Jesus precisam conhecer sua vida e seus ensinos conforme os evangelhos e encarnar na vida o que ele diz. Isso não é o mesmo que se adequar aos condicionamentos psicológicos, culturais e religiosos das igrejas. O discípulo segue a Jesus e não ao mercenário.

Seguir Jesus é nascer de novo e não aprender chavões, gestos, mudar o tom de voz e vestir-se conforme a doutrina da igreja. Aliás, você não precisa ser membro de nenhuma igreja para ser de Jesus. Ame a Deus e ame o próximo como a si mesmo. Ser discípulo é mais que ser socialmente correto como um cidadão exemplar. Isso é próprio das pessoas de bem que nem conhecem o Evangelho. O seguidor de Jesus tem que exceder em muito a tudo isso: “Porque, se amardes os que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem os publicanos também o mesmo? E, se saudardes somente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os gentios também o mesmo? Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste”.

O seguidor de Jesus é livre e o segue porque foi constrangido pelo seu amor provado na cruz. Assim, o discípulo não vive mais para si mesmo, mas para aquele que por ele morreu e ressuscitou. Jesus não violenta a mente de ninguém, não esmaga a cana quebrada e nem apaga a torcida que fumega. Não coage os corações nem faz lavagem cerebral para conseguir seguidores. É por isso que seu convite ao discipulado começa com um “se alguém quer”.

O discípulo é uma pessoa disciplinada que aceita disciplina do seu pai celestial, caso contrário, ele não é filho e sim bastardo, como uma ovelha desgarrada desviada pelo caminho. Ninguém a princípio gosta de ser disciplinado, mas o discípulo sabe que a disciplina lhe faz bem. A disciplina acontece nas mais variadas situações da vida, como as relações interpessoais, as circunstâncias comuns e incomuns, a leitura da Bíblia, e tantas outras maneiras que Deus usa para nos fazer ser como seu Filho Jesus. Seguir os passos de Jesus muda a sua vida.

O discípulo precisa aceitar fortes repreensões. Ele deve ser capaz de ouvir de Jesus: “Arreda, Satanás! Tu és para mim pedra de tropeço, porque não cogitas das coisas de Deus, e sim das dos homens”, sem com isso mostrar melindres e não querer deixar de ser discípulo de Jesus, que disse: “bem-aventurado é aquele que não achar em mim motivo de tropeço”. O discípulo de Jesus é um permanente aprendiz de seu Mestre. Por isso mesmo ele aceita ser moldado como barro nas mãos do oleiro até alcançar o ideal de Deus para sua vida.

Quando Jesus disse: “se alguém quer vir após mim”, ele estava mostrando que ser seu discípulo implica em seguir atrás dele, não na frente. Isso é muito importante, principalmente nesses dias quando as igrejas perderam a simplicidade e pureza devidas a Cristo, como aconteceu com os cristãos do passado: “Ó gálatas insensatos! Quem vos fascinou a vós outros, ante cujos olhos foi Jesus Cristo exposto como crucificado? Quero apenas saber isto de vós: recebestes o Espírito pelas obras da lei ou pela pregação da fé? Sois assim insensatos que, tendo começado no Espírito, estejais, agora, vos aperfeiçoando na carne? Terá sido em vão que tantas coisas sofrestes? Se, na verdade, foram em vão. Aquele, pois, que vos concede o Espírito e que opera milagres entre vós, porventura, o faz pelas obras da lei ou pela pregação da fé?”. Tem igreja por aí dando as dicas para Jesus, fazendo dele um discípulo da igreja.

Muitos começaram bem como discípulos de Jesus, mas depois de algum tempo ficaram inquietos e preocupados com muitas coisas como Marta, esquecendo que pouco é necessário ou mesmo uma só coisa: seguir Jesus; essa é a boa parte que jamais pode ser tirada de quem anda olhando firmemente para Jesus, Autor e Consumador da fé. O discípulo que não suporta a provação se desvia, e os que são sufocados com os cuidados, riquezas e deleites da vida, nunca amadurecem na caminhada. Seguir Jesus não é fazer mais, é fazer menos e ser mais.

A caminhada com Jesus pelas estradas da vida acontece na fraternidade com outras pessoas, mas cada um de nós dará contas de si mesmo a Deus. Não cabe a nós questionar a caminhada de outros, dizendo a Jesus: "E quanto a este?". Antes de tudo o que importa é ouvir e atender ao Senhor que diz: "Segue-me". Exatamente por isso é que ninguém consegue ser discípulo de Jesus sem deixar primeiro a religião, que no caso dos evangélicos é a igreja, que se tornou a Nossa Senhora dos crentes. Sem a igreja denominacional, registrada em cartório, e com uma infinidade de cabides para as pessoas se pendurarem, os crentes acham que estão perdidos ou desviados de Jesus. Crente sem prédio (templo) e sem agremiação fica pirado.

Como disse antes, muitos começaram bem como discípulos de Jesus, andando com Deus e seguindo em fé. Porém, começaram a aparecer as doutrinas dos homens, os costumes religiosos, as regras estatutárias, os ministérios, as visões, os departamentos, os concílios, os ensaios, as comissões, as diretorias, as reuniões diversas, as campanhas, as vigílias, as células, os discipulados controladores com questionários e relatórios dos discípulos aos seus discipuladores, as escolas dominicais, os cursos, os seminários, enfim, a essa altura Jesus já está longe enquanto o "discípulo" ficou ensaiando ou participando de alguma comissão. Está dando pra entender a astúcia da coisa? As igrejas hoje vivem em dois extremos: Algumas já ficaram para trás perdidas com suas besteiras, outras se acham tão dinâmicas e capazes que já deixaram Jesus para trás e estão na crista da onda, do jeito que o diabo gosta.

O discípulo não atrasa nem adianta, ele segue após Jesus. Ele não inventa moda, ele não vive de moveres, de revelações, de visões; ele se contenta com Jesus e não quer nada mais que não seja o Evangelho. Qualquer outra coisa em nome de Deus que não seja conforme Jesus o discípulo rejeita, ainda que seja trazido por um anjo vindo do céu. Seguir Jesus é o maior projeto de vida que alguém possa ter. Seus mandamentos não são pesados, seu jugo é suave, sua presença é certa, seu Espírito é consolador e a vida que ele nos dá é abundante.

Antonio Francisco - Cuiabá, 14 de fevereiro de 2014 - Voltar para Como ser discípulo de Jesus.

0 comentários: