25 de dez de 2011

Algo mais no natal

Não se pode negar que por ocasião do natal todos são influenciados pelo espírito das boas relações, bondade, gentileza, doação, e das festas tão comuns nesse período. É como diz a letra da música “Natal todo dia” do grupo Roupa Nova: “Se a gente é capaz de espalhar alegria, Se a gente é capaz de toda essa magia, Eu tenho certeza que a gente podia, Fazer com que fosse Natal todo dia”.

O Natal é a lembrança do nascimento de Jesus. Mas isso pouco ou nada importa se ele não nascer e viver em cada um de nós. Jesus torna o natal mais que uma festa religiosa anual ou uma ocasião para darmos vazão aos nossos prazeres gastronômicos e etílicos. Nem todos pensam a mesma coisa sobre a origem, a data, ou o significado do natal, porém, seja qual for a opinião, a intenção, ou motivação nesse dia, todos querem vivê-lo com qualidade, expressar alegria, amar e ser amados e, se possível fosse, perpetuar as boas emoções desse dia até o último dia do ano e no ano novo todo. Para isso é necessário algo mais que preparar uma festa em família e entre amigos. As alegrias que produzimos não expressam as alegrias que somente Deus pode nos dar. É uma pena que muitos não creiam nisso e se conformem com a pequenez das emoções apenas físicas e emocionais. A alegria que vem de Deus é a nossa força para viver, pois ele mesmo é a alegria da vida. Até que isso seja assimilado e vivido, sempre faltará algo mais no natal.

A mensagem deste Natal para mim está em Colossenses 3.1-17. O texto não fala propriamente do nascimento de Jesus, mas mostra o nível de vida de uma pessoa que vive em Jesus. O capítulo começa dizendo que se ressuscitamos juntamente com Cristo, devemos buscar as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus. É pensando nas coisas lá do alto e não nas que são aqui da terra que evidenciamos a morte para o nosso passado e a realidade presente da vida oculta juntamente com Cristo, em Deus. Para tais pessoas, Cristo é a própria vida aqui e que um dia se manifestará em glória. A vida é mais que biológica, ela é também espiritual e eterna. Não existe natal sem compreendermos a vida nessas dimensões. A mensagem de natal do profeta Isaías foi: "Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz" (Is 9.6). Jesus nasceu para ser para nós o que o profeta nos mostra aqui.

Morrer (deixar para trás) uma vida sem Deus e a ressurreição para uma nova vida em Cristo é real e prática. Contudo, não estamos ainda livres da nossa natureza pecaminosa que luta contra a vida que temos em Cristo. Essa natureza terrena deve ser morta todo dia por nós, caso contrário ela se manifesta em nós na forma de prostituição, imoralidade sexual, desejos malignos, avareza, nos levando a adorar as coisas no lugar de Deus; nossa natureza pecaminosa também se manifesta com ira, indignação, diversas formas de maldade, linguagem obscena no modo de falar, mentiras, e quase uma infinidade de expressões más, todas potencialmente dentro de nós. A ira de Deus vem sobre as pessoas que vivem nessa desobediência proposital e consciente. Mas, tudo isso pode e deve ficar para trás, uma vez que nos despimos dessa roupagem suja e nos revestimos de uma nova vida que se refaz para o pleno conhecimento de Deus.

Assim, para que o natal tenha o sentido que foi proposto que tenha e para que vivamos as boas relações não apenas nas festividades de final de ano, mas todo dia e cada dia, precisamos viver em Cristo e nos revestir de uma roupagem nova tirada do guarda-roupa de Deus. É exatamente dessa maneira que ficamos belos para uma vida de qualidade em todos os sentidos. Esse novo padrão de vida leva-nos a vestir a nova roupagem que inclui compaixão, bondade, humildade, mansidão, e paciência. Essa nova vida implica em suportarmos uns aos outros, nos perdoarmos mutuamente, mesmo que tenhamos motivo de queixa contra alguém. Assim como o Senhor nos perdoou, assim também devemos perdoar. Esses valores estão para além de nossa capacidade natural de ser, porém, em Cristo eles podem se tornar num estilo de vida.

“Acima de tudo isto, porém, esteja o amor, que é o vínculo da perfeição”. O amor jamais acaba, mas ele acaba com o tédio e a falta de sentido na vida. O amor liga todas as coisas em plena harmonia. O nascimento de Jesus é a maior expressão do amor de Deus por nós; é o seu dom inefável, inexplicável, porém, palpável e experimentável. O amor é o fruto que o Espírito Santo produz em nós, enchendo-nos e mantendo-nos em paz. Quando recebemos o amor de Deus passamos a amá-lo, a amar a nós mesmos e ao nosso próximo. Quando o amor cresce em nós, nos tornamos agradecidos, a palavra de Cristo habita ricamente em nós capacitando-nos a instruir e a aconselhar uns aos outros com toda a sabedoria e louvor a Deus. Nesse processo somos levados a fazer tudo para Deus com alegria. Que assim seja o natal todo dia.

Antonio Francisco - Cuiabá, 25 de dezembro de 2011 – Voltar para Mensagens.

Ouça a música citada acima sobre o Natal:

0 comentários: