12 de dez de 2010

Assim vivem os filhos de Deus

Quando se fala em filhos de Deus, muitas pessoas pensam em anjos ou em pessoas imaculadas. Mas não é disso que estamos tratando. Filhos de Deus são pessoas comuns que foram adotadas por Deus mediante a fé em Jesus Cristo. Ninguém precisa se filiar a nenhuma organização para garantir sua filiação espiritual em Jesus. Congregar-se com outros é uma evidência da filiação, não uma condição. Noutro sentidos todos somos filhos de Deus, pois ele nos criou e nos sustenta.

“Assim, pois, irmãos, somos devedores, não à carne como se constrangidos a viver segundo a carne. Porque, se viverdes segundo a carne, caminhais para a morte; mas, se, pelo Espírito, mortificardes os feitos do corpo, certamente, vivereis. Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. Porque não recebestes o espírito de escravidão, para viverdes, outra vez, atemorizados, mas recebestes o espírito de adoção, baseados no qual clamamos: Aba, Pai. O próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo; se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados”. (Romanos 8.12-17).

1. Livres da carne

Alguém não acostumado com as palavras da Bíblia, especialmente do Novo Testamento, ao ler a palavra carne no texto acima, pode pensar que seja uma referência ao tecido muscular vermelho humano, o corpo, a matéria, em oposição ao espírito, mas não é a isso que a palavra se refere aqui. A palavra carne nessa passagem bíblica, como em várias outras, indica a natureza humana afastada de Deus desde que fomos concebidos no ventre de nossa mãe (Sl 51.5). Nascemos e vivemos “segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos”. Isso torna todos nós merecedores da ira de Deus (Ef 2.3). Essa inclinação para a carne, nos mantém afastados de Deus e nos leva a morte, pois, os que estão na carne não podem agradar a Deus (Rm 8.6, 8). Mas, como filhos de Deus, não devemos nada à carne, ou seja, não precisamos fazer o que nossa natureza pecaminosa deseja (Gl 5.19-21). O Espírito Santo de Deus nos capacita a matar os desejos carnais (Cl 3.5), para que possamos viver a vida abundante de Jesus (Jo 10.10).

2. Livres de escravidão

Jesus disse: “Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado. O escravo não fica sempre na casa; o filho, sim, para sempre. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (Jo 8.34-36). Como filhos de Deus não estamos escravizados a nada, somos livres. O pecado escraviza e torna a pessoa servil do mal. Ela não tem estabilidade em nada. Mas não é isso que acontece com os filhos de Deus. Ele nos adotou como filhos para termos com ele relação permanente. Jesus liberta, não apenas dos males explícitos, mas também do engano da religião, pois foram os líderes religiosos de Israel que Jesus chamou de escravos do pecado. Não é sem causa a crítica da filosofia que diz: “A religião é o ópio do povo”. Tem muita gente “boa” escrava da religião. Elas são tão retas quanto o cano de um revólver, mas não conhecem a vida livre que Jesus oferece. Muitos estão enganados achando que ser fiel à instituição é o mesmo que ser fiel a Deus. Acham que ser fiel às regras fúteis que as igrejas inventam, as tornam agradáveis a Deus. Puro engano. Jesus livra da escravidão religiosa. A Bíblia diz: “Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão” (Gl 5.1).

3. Livres do medo

O medo faz parte da vida humana e pode ser racional de acordo com o perigo que nos ameaça. Mas, o medo também existe de forma nociva, exagerada e irracional. Desse modo ele sufoca quem o tem. Em geral, as pessoas vivem atemorizadas, o que mostra o distanciamento que têm de Deus. Jesus se tornou homem “para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, e livrasse todos que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos à escravidão por toda a vida” (Hb 2.14-15). Observe bem esse texto. As pessoas vivem por toda a vida escravas do medo da morte provocado pelo diabo. Mas, como é bom saber que Jesus veio para destruir as obras do diabo (1Jo 3.8). Ele fez isso por amor a nós. É por isso que lemos: “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16). “No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor” (1Jo 4.18). Os filhos de Deus não vivem com medo.

4. Guiados pelo Espírito

O Espírito Santo é indispensável na vida dos filhos de Deus. Aliás, “se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele” (Rm 8.9). Não existe vida cristã sem o Espírito Santo. Ele é a garantia da nossa salvação (Ef 1.13-14). Deus não deu um mapa para seus filhos, ele deu o Espírito Santo. Pouco antes de morrer na cruz pelos nossos pecados, Jesus nos fez a seguinte promessa: “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós. Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros. Quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir. Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar” (Jo 14.16-18; 16.13-14). O Espírito que Deus nos deu é Santo; não devemos entristecê-lo nem apagá-lo com nossos pecados (Ef 4.30; 1Ts 5.19). O Espírito Santo nos ama (Rm 15.30), ele quer nos encher com virtudes (Gl 5.22-23), ele fala com a igreja (Ap 2.7). Por isso e muito mais, devemos cultivar a comunhão com o Espírito Santo (2Co 13.13).

5. Herdeiros de Deus

O texto bíblico diz: “Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo; se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados”. Na verdade, o próprio Deus é a nossa herança, conforme disse o salmista (Sl 16.5). Ele nos deu todas as coisas que conduzem à vida e à piedade. Suas preciosas e mui grandes promessas, nos foram doadas, para que por elas nos tornemos co-participantes da natureza divina, livrando-nos da corrupção das paixões que há no mundo (2Pe 1.3-4). Nosso Deus e Pai nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo (Ef 1.3). Não devemos nos orgulhar por nada nem por ninguém neste mundo, porque tudo é nosso da parte de Deus (1Co 3.21-23). Nenhum sofrimento aqui se compara com a glória a ser revelada em nós. Mas, chegará o dia quando os filhos de Deus serão revelados para uma plena liberdade cósmica (Rm 8.18-25).

Você já é um filho de Deus? A Bíblia diz que Jesus “veio para o que era seu (o povo judeu), e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus” (Jo 1.11-13).

Antonio Francisco - Cuiabá, 12 de dezembro de 2010 - Voltar para Um novo caminho.

0 comentários: