Seja Bem-Vindo à Comunidade do Caminho

Dois ou três reunidos em nome de Jesus em qualquer lugar é uma igreja. Participe!

Nossos Mentores

A mentoria oferece suporte, apoio, e orientação, aos que se encontram como igreja.

Mensagens do Pr. Antonio Francisco

"A fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo". Ouça áudios breves.

A Comunidade que você procura

Não estamos começando nada novo, estamos apenas de novo anunciando o evangelho.

Histórias do Evangelho

O Evangelho é a mensagem da vida e dos ensinos de Jesus. Nada se compara a isso.

A Vida Extraordinária

Jesus Cristo nos oferece a vida que nos transporta do ordinário para o extraordinário.

Como ser discípulo de Jesus

Você é apenas um ser natural e emotivo, ou uma pessoa espiritual vinculada a Jesus?

TALMIDIM - Reflexões Diárias

TALMIDIM era o nome dado aos meninos judeus que se destacavam no estudo da Lei.

Perguntas e Respostas

O que é igreja, dízimo, sexo, batismo, ceia do Senhor, unção, campanhas, casamento?

O Caminho do Discípulo

Você quer andar no Caminho do discípulo sem depender do que os outros pensam?

22 de mai de 2017

Clareou

A vida é pra quem sabe viver, procure aprender a arte, pra quando apanhar não se abater. Ganhar e perder faz parte. Levante a cabeça, amigo, a vida não é tão ruim, um dia a gente perde mas nem sempre o jogo é assim. Pra tudo tem um jeito e se não teve jeito ainda não chegou ao fim. Mantenha a fé na crença, se a ciência não curar, pois se não tem remédio, então remediado está. Já é um vencedor quem sabe a dor de uma derrota enfrentar, e a quem Deus prometeu, nunca faltou...



22 de abr de 2017

Reações

O que você faria se sua noiva aparecesse grávida afirmando que Deus é o pai da criança? Isso nunca tinha acontecido antes e nunca aconteceu depois, mas, aconteceu. Maria estava desposada com José - era noiva dele, e engravidou sem se relacionarem sexualmente. Naqueles dias infidelidade no noivado era considerada adultério.

O que fazer numa situação dessa?

José tinha duas opções: acusar Maria de traição e tomar as providências legais que poderia resultar até em apedrejamento, ou, romper a relação do modo mais discreto possível. Por ser justo, ele optou pela segunda possibilidade, tendo uma reação impressionante diante de um fato tão enigmático capaz de tirar do sério qualquer pessoa equilibrada. As suspeitas que o caso levantava não poderia ser mais fértil para pensamentos maliciosos e atitudes negativas diversas, mesmo assim ele aceitou a situação apenas na base da subjetividade por ter recebido em sonho a informação de acatar o que aconteceu. Reação como essa não é para um fracote; ir dormir pensando na gravidez de sua mulher, gravidez essa que não foi gerada por ele - e acordar pacificado, é coisa de gente que anda altaneiramente. Esse pode ser chamado de "São José". Nele se aplicam as palavras de Blaise Pascal: "O coração tem razões que a própria razão desconhece". Esse fato nos mostra que a relação com Deus não se baseia na Moral. O anjo Gabriel foi direto a Maria, ele não pediu autorização a José para o que aconteceria. José aprendeu que andar com Deus é uma questão muito pessoal e subjetiva; isso ficou evidente em Maria e nele mesmo.

A reação de José mostra a importância de relações idôneas; ele conhecia o caráter de Maria, e por ser um homem de valores pautados no Evangelho, teve um comportamento condizente com o padrão dos fiéis. A reação de José mostra que não importa o que nos aconteça, a diferença está na reação que temos diante dos fatos, venham eles de Deus, dos homens, ou dos demônios.

Ser vítima das circunstâncias nunca foi uma virtude. Não foi o caso de José que reagiu a altura de um homem digno. Enquanto ponderava sobre o que fazer recebeu a direção que precisava. O resultado foi a experiência de participar do maior acontecimento da história humana - o nascimento de Jesus, o eterno Filho de Deus que se encarnou e habitou entre nós cheio de graça e de verdade para ser o Salvador de todos os homens, especialmente dos que creem.

8 de mar de 2016

Em seis passos que faria Jesus

Esse foi o tema da mensagem em nosso culto neste domingo. Usei o livreto de Paulo Bravo com esse título. Você pode encontrá-lo para download em nosso blog http://caminhocuiaba.blogspot.com.br
Ser discípulo de Jesus é bem mais que levantar a mão atendendo a um apelo do pregador; é mais que se ajustar aos costumes e doutrinas dos "evangélicos"; é mais que ter uma vida moral e social ajustada. Tudo isso é possível sem Jesus. Ser discípulo é mudar da vida apenas ordinária para uma vida extraordinária. Ao fazer isso você começará a experimentar um crescimento notório em sua vida ao mesmo tempo em que encontrará oposição em seu meio social. Você quer? Eis os seis passos do que significa andar com Jesus.
1. Viva a intolerância contra os religiosos. Jesus se relacionou com pessoas marginalizadas e acolheu os párias da sociedade. Mas ele não tolerava os religiosos hipócritas. Basta ler Mateus 23 para perceber o trato de Jesus com essa gente. Quem anda com Jesus não anda com religiosos, com os almofadinhas da "fé", com os formatados em esquemas e programas eclesiásticos seguindo doutrinas de homens e guiados por regras que determinam o que pode e o que não pode na vida.
2. Faça o que os outros não esperam. Quem anda com Jesus extrapola qualquer padrão, subverte qualquer cultura e é sempre imprevisível. Ele é simples como uma pomba e prudente como uma serpente, ou seja, ele vive sem malícia ao mesmo tempo que não vive dando bobeira. Ele é sábio e não obtuso como um asno. Jesus era indomável. Ele sempre surpreendia. Quando fizeram um grande esforço descendo um paralítico pelo teto da casa para que ele o curasse, ele apenas disse: "perdoados estão os teus pecados"; quando era esperado que ele não se aproximasse de um leproso, ele o tocava; quando lhe trouxeram uma adúltera para ser apedrejada, ele lhe disse: "eu não te condeno".
3. Desfrute sem possuir. Jesus não tinha nada mas sabia usufruir da vida. Ele usava os barcos alheios, aceitava convites para banquetes e até se oferecia para jantar na casa de ricos. Nessas ocasiões certamente ele pedia para completarem sua caneca de vinho. O discípulo de Jesus deve usar sem ser usado, ter sem ser possuído.
4. Viva inteiramente inserido no seu mundo. Os religiosos ensinam que devemos evitar o mundo, mas Jesus desconhecia essa vida separada das pessoas. Ele foi o contrário de João Batista que era asceta, não comia carne, não bebia vinho e vivia no deserto. Jesus tinha uma vida urbana, era sociável, gostava de vinho e não dispensava fácil uma picanha. Os evangélicos modernos têm o estilo de João Batista e não parecem em quase nada com Jesus.
5. Permaneça disponível para o momento. O sábado dos judeus mostra a importância que Deus dá para o descanso, para a ausência de atividades em prol da reflexão e do momento santo, mais do que locais e ritos santos. Estamos quase sempre vivendo em razão de outra atividade, outra ocasião, outra ideia, outro plano, outro dia, numa vida paralela e nociva, sem saber viver "esse momento lindo". Jesus disse para não nos preocuparmos com o dia de amanhã. Basta ao dia os problemas daquele dia. Mesmo assim não conseguimos viver um momento por vez e isso torna a vida tediosa e sem qualidade.
6. Sensualize a sua espiritualidade. Sensualizar diz respeito aos órgãos dos sentidos. Jesus viveu sua humanidade entre nós mostrando como devemos viver. Infelizmente tememos nosso corpo; alguns têm ojeriza de seus desejos e sensações porque vêm pecado em tudo. Jesus tocava e se deixava tocar pelas pessoas, sabia admirar a beleza da vida, degustar, sentir os perfumes e ouvir vozes e melodias. Precisamos aprender com Jesus a viver nossas limitações, admitir nossas necessidades e usufruir de nosso corpo.
Jesus o Filho de Deus se fez homem para que como homens aprendamos como ser filhos de Deus. Lendo os Evangelhos conhecemos como vive um discípulo de Jesus. Basta ao discípulo ser como seu mestre.
Antonio Francisco – Cuiabá, 8 de agosto de 2016 – Voltar para Mensagens.

25 de fev de 2016

Treinamento: O Caminho do Discípulo

Escrevendo aos filipenses o apóstolo Paulo recomendou àquela igreja: "desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor". Recebemos a nova vida em Cristo e o perdão de nossos pecados pela fé sem nenhum mérito ou esforço de nossa parte. Mas, como no desenvolvimento biológico, precisamos na vida espiritual nos desenvolver. Isso certamente implica zelo, esforço, renúncia, decisões, mudanças; tudo feito de modo consciente e proposital. Andar com Jesus não combina com inércia.

Por isso e muito mais, estamos lhe chamando para o treinamento que começará no dia primeiro de março/2016 na estação de nossa comunidade. Você pode vir e trazer quantos queiram participar. A única condição é querer fazer o treinamento. É um estudo indutivo onde você aprenderá por si mesmo além dos ensinos ministrados pelo Pr. Antonio Francisco. Vamos trabalhar em três tempos: encontro, pré-encontro e pós-encontro. São 17 lições de puro Evangelho de Jesus. 

1. O que significa ser discípulo.
2. O discípulo é livre.
3. O discípulo sabe o que quer.
4. O discípulo aprende humildemente.
5. O discípulo e o negar-se a si mesmo.
6. O discípulo vive morrendo e vivendo.
7. O discípulo aprende com Jesus.
8. Jesus nos ensina ser objetivos e diretos.
9. Jesus nos ensina a ser lógicos.
10. Jesus nos ensina o bom senso e o realismo.
11. Jesus nos ensina como ser humanos.
12. Jesus nos ensina a viver sem preconceito.
13. Livres dos legalismos religiosos.
14. Vivendo entre a agenda e a criatividade.
15. Jesus nos ensina a aceitar perseguição.
16. Jesus nos ensina a orar.
17. Vivendo na alegria da salvação.

O treinamento terá uma duração de aproximadamente três meses com um encontro semanal de aproximadamente uma hora. Você pagará R$ 20,00 (vinte reais) pelo material didático, e certamente será desafiado a entrar num novo tempo em sua vida. É um treinamento tão simples que à primeira vista podemos ser tentados a subestimá-lo. Mas, à medida que formos penetrando o mundo do Novo Testamento, andando com Jesus e seus primeiros discípulos, veremos a maravilha que é conhecer "o caminho do discípulo". Por fim, digo algo essencial para cada participante desse treinamento. A qualidade dessa caminhada dependerá de como você receberá o que Jesus oferece. Esse não é apenas um estudo bíblico para ouvirmos explicações sobre a Bíblia - é um chamado para sairmos do ordinário e começarmos a viver na dimensão do extraordinário conforme o Evangelho de Jesus. Venha!

Procure o Pastor Cláudio Fortes e faça sua inscrição até domingo (28/02). As apostilas só serão confeccionadas para os que pagarem. Os encontros acontecerão em nossa estação:

COMUNIDADE DO CAMINHO
Rua 214 - Nº 33 - Setor II
Bairro Tijucal - CUIABÁ-MT

Um grande abraço e até breve.

Pr. Antonio Francisco. 

13 de jan de 2015

Comentários na carta aos Colossenses


O Novo Testamento nos apresenta a nova aliança de Deus com os homens através de Jesus Cristo. O apóstolo Paulo escreveu a maioria de suas cartas para esclarecer essa mensagem e também para combater os falsos ensinos que se infiltravam nas igrejas para enganar o povo. A carta aos colossenses é um tesouro precioso que apresenta Jesus Cristo como o Senhor suficiente para a Igreja e para todos que buscam em Deus o sentido da vida. Faço uma breve exposição desse livro esperando que você ganhe com isso.

Antonio Francisco - Cuiabá, 5 de fevereiro de 2015 - Voltar para Antonio Francisco.

24 de ago de 2014

Você prefere o deus morto ou o Deus vivo?

Perguntar se alguém prefere o deus morto ou o Deus vivo parece uma pergunta ingênua onde a resposta obviamente da maioria será o Deus vivo, principalmente das pessoas religiosas que fazem parte de igrejas, têm alguma religião, são místicas ou devotas de alguma crença específica. Mas será que essa pergunta tem uma resposta tão clara assim no cotidiano das pessoas? Eu acredito que não seja tão simples assim, até porque acho que a maioria tem preferido o deus morto.

Uma coisa que demorei perceber no Evangelho foi o quanto Jesus é diferente de tudo o que alguém poderia pensar a respeito do Messias, o Cristo prometido pelos profetas do Antigo Testamento. Ele era de fato a pedra de tropeços rejeitada por muitos construtores. Não era sem razão que os gregos acham a mensagem do Evangelho uma loucura. Jesus não condizia com o pensamento romano imperial daquela época, nem com os ideais da história. Jesus não está em harmonia com nossas ideias e o que me parece mais estranho é que ele tinha oposição dentro do seu próprio círculo apostólico.

Hoje, enquanto refletia no texto bíblico que pretendo compartilhar em nosso encontro deste domingo a noite, essa foi a ideia central da meditação, ou seja, Jesus não combina com nenhuma religião, Jesus não condiz com o Cristianismo histórico, seja ele católico ou protestante. Uma simples leitura dos Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas, e João, deixará claro para qualquer pessoa normal não contaminada com a mentalidade religiosa vigente, que o Jesus dos Evangelhos não é o mesmo das igrejas ditas cristãs. Com isso não estou nem dizendo que esse povo não tem nada com Deus, apenas digo que ele conhece apenas uma caricatura de um jesus criado à imagem e semelhança dos religiosos.

Quando entendi isso deixei de ser “evangélico” e passei a ser do Evangelho, visto não ser possível abraçar o Evangelho e viver como membro de qualquer igreja evangélica. Fui pastor evangélico por mais de vinte anos e afirmo diante da verdade ser impossível viver o Evangelho com suas implicações dentro de uma igreja. Eles não lhe suportarão e você não conseguirá sobreviver naquele ambiente doente de religiosidade estéril, cega, míope, e opressora.

O profeta Isaías disse que nenhuma beleza havia em Jesus que nos agradasse. Ele é único, inimaginável, nele estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento. O Cristo de Deus encarnado jamais faria ou seria o que apresentam por aí como sendo próprio dele. O apóstolo Paulo em seus dias já falava de outro evangelho (falso) e de outro Jesus que não devemos jamais aceitar. Mas é o que cada dia se observa em nossa sociedade religiosa – um Jesus criado convencionalmente para satisfazer ao sistema religioso operante.

As pessoas não conhecem a Bíblia e os que parecem conhecer leem as Escrituras a partir das interpretações que lhes foram passadas por outros que já receberam de outros e assim o efeito dominó vem mantendo esse circo louco de iludidos que pensam viver para Deus quando de fato estão vivendo para os interesses de instituições religiosas e para satisfazerem desejos pessoais e barganharem com os céus (pensam) em busca de “bênçãos” que lhes favoreçam e lhes protejam de tudo que seja desagradável nessa vida.

Depois de viver tanto tempo naquele sistema bitolado, fico vendo tantas pessoas enganadas cheias de boas intenções e sinceras, mas não menos enganadas no que fazem e pelos motivos com que fazem o que fazem para Deus. Por incrível que pareça, esse povo chega a pensar que a agenda de Deus é o mesmo que programação de igreja. Não conseguem ver que programa de igreja não tem nada a ver com o viver para Deus. Aquilo é nada mais que um programa frenético criado para manter as pessoas ocupadas e obrigadas a se medirem por aquilo que desempenham dentro da igreja. Caso não sejam ativas e produtivas naquilo que o pastor e a denominação (ministério) determinam não estão vivendo para agradar a Deus. É triste observar esse zelo sem entendimento.

O Deus vivo revelado em Jesus incomodava os discípulos que andavam com ele e certamente não combina com nossa religiosidade doente. João Batista, o profeta que Deus enviou para anunciar a chegada de Jesus achou que o Messias era tão diferente do que ele pensava que mandou alguns de seus discípulos perguntarem para Jesus: “És tu aquele que estava para vir ou havemos de esperar outro?”. Sabendo que Jesus veio do norte, os discípulos questionavam: “De Nazaré pode sair alguma coisa boa?”. Dois deles pediram para sentar à esquerda e à direita de Jesus quando ele voltasse em glória, sem saber o que estavam pedindo. Quando o cego Bartimeu clamava por misericórdia, eles mandaram ele calar a boca, mas Jesus parou na caminhada e mandou chamá-lo; quando pais traziam seus filhos para Jesus os abençoar, os discípulos lhes impediam, mas Jesus os repreendeu mandando trazer as crianças. Jesus conversava à beira de um poço com uma mulher, e eles acharam aquilo estranho. Quando as mulheres anunciaram que o túmulo de Jesus estava vazio porque ele havia ressuscitado, os discípulos pensavam que elas estavam delirando. Enfim, o Jesus dos Evangelhos era estranho para os próprios discípulos que ele tinha escolhido; imagine para os “discípulos” de hoje, ainda mais alienados do que aqueles primeiros meninos na fé.

Deus procura adoradores que o adorem em espírito e em verdade, mas os cultos contemporâneos estereotipados são cada vez mais mecânicos, dramatizados e coreografados. Na verdade, nos relacionamos com um Deus que nos parece mais morto que vivo. Muitas pessoas se assustariam se começassem a perceber que toda a terra está cheia de sua glória e pasmariam se acreditassem que Deus age e está agindo. Veja o vídeo abaixo porque ele ilustra o quando estamos acostumados com o deus morto e como seria assustador para muitos a percepção do Deus vivo e verdadeiro no qual vivemos e existimos.



Não tem como negar que a idolatria, a liturgia, a mesmice e a ortodoxia fria e morta tem sido o perfil da crença vigente. É hora de acordar e atentar para a palavra bíblica que diz: “Desperta, ó tu que dormes, levanta-te de entre os mortos, e Cristo te iluminará”.

Antonio Francisco – Cuiabá, 24 de agosto de 2014 – Voltar para Mensagens.